17 março 2010

Koió


Velho, não! Indivíduo canino de terceira idade, com muito orgulho.

Quem vê o Koió com seus pêlos brancos no focinho, sérios problemas de visão e dentição pode pensar que ele já pendurou as chuteiras, mas não é nada disso. Ele continua o mesmo amigão de sempre. Tem lá suas manias, mas quem não tem?

Essa figurinha nasceu em Campinas e era de um famoso escritor brasileiro, o Rubens Alves. Chegou em Poços como presente pra Isa e o Dede, na época ainda crianças, filhos da Leila e do Lorinho. Nossa, foi uma festa! O Koió cativou todos e se tornou rapidinho membro da família. Foi ele quem brincou com as crianças, que conquistou o lugar do sofá ao lado da dona Leila e que se fartou de ouvir as músicas do mestre Lorinho. Os anos passaram, as crianças cresceram, foram estudar fora e o Koió continuou firme, fiel companheiro dos donos. A Isa até liga de Jabuticabal só pra ter notícias dele. É amor que não acaba mais...

Hoje o Koió não corre pela casa, já não faz tanto barulho, não implica com os gatos. As lutas intermináveis com chinelos e tapetes deram lugar à soneca e os horários de passeio aos horários do remédio. Mas tem algo que não mudou nadinha – o carinho e amor que ele dedica à família que o adotou.

Taí... Koío você é um exemplo pra todos nós. Um beijo, meu velho. (ops...)



Um comentário:

  1. ah... nina, quando a elisa ver esse post vai chorar.... ficou lindo.... bj

    ResponderExcluir

Late aí, galera. Ops! Mia, pia, fala, faz bolhinhas, barulhinhos... Enfim, se manisfeste!!!